1

Especial de Natal II - O nascimento de Jesus

São José está dormindo, as ovelhinhas estão por perto, o burrico também, e os Anjos enchem o céu, cantando a Glória de Deus. Os pastores estão ouvindo o cântico celeste: “Glória a Deus no mais alto dos Céus, e paz na Terra aos homens de boa vontade”. É exatamente o que a Liturgia, na noite do dia 24 para 25, deverá estar celebrando.
É noite, e Nossa Senhora acaba de dar à luz o Menino Jesus, de modo misterioso e maravilhoso. O gesto d'Ela, a sua atitude, são apresentados como os de uma pessoa inteiramente sadia, que se empenha em aconchegar o Menino Deus. Mas Ela o faz com um desembaraço físico de movimentos, que não é o da mãe comum após o parto.
O processo de nascimento é dolorido e difícil, em virtude do pecado original. Contudo, tendo Nossa Senhora sido virgem antes, durante e depois do parto, esse nascimento se deu de modo milagroso. Não representou nenhum esforço para a Virgem Santíssima. Ela parece ter acordado de um sono brando.

É uma cena lindíssima, que empolga. Pode-se imaginar a situação de Nossa Senhora ao ver — pela primeira vez com seus olhos terrenos, seus olhos carnais — o fruto do Divino Espírito Santo concebido em suas próprias entranhas. E que fisionomia apresenta o Homem-Deus que acaba de nascer d'Ela!
O Menino Jesus aparenta a atitude de uma criança recém-nascida. É preciso notar que — como Nosso Senhor foi concebido sem pecado original e sua natureza humana estava ligada à natureza divina, mediante a união hipostática, com a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade — sua inteligência era plena desde o primeiro instante em que Nossa Senhora O concebeu. E já no claustro materno Ele rezava, oferecia reparações a Deus, O adorava e implorava pelos homens. Ele começou a sua vida inteiramente consciente. De maneira que essa Criança teve comunicações com Nossa Senhora, de caráter místico, durante o período da gestação.
Ela sabia que o olhar daquele Menino era lúcido e cheio de amor. Os dois estavam se conhecendo. Ele analisava o rosto de sua Mãe e Ela estava fixando a fisionomia de Seu Divino Filho. É um momento sublimíssimo da vida de ambos. Podemos imaginar o auge de amor de Deus que Ela atingiu nesse momento. E o Divino Infante, desde logo, que olhar de amor dirigiu à Sua Mãe Santíssima!

Afresco pintado por Giotto di Bondone entre 1302 e 1306, na Capela degli Scrovegni — Pádua (Itália).

autor: Plinio Corrêa de Oliveira
Fonte: http://www.catolicismo.com.br - Matéria Dez/2002

Saiba mais:

Nascimento de Jesus
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Leia também:

Reflexão: O Significado de Natal
Frases e mensagens natalinas
Papai Noel - O bom Velhinho
Símbolos Natalinos
Especial de Natal I - Maria, Mãe de Deus

Um comentário :

Ana Martins disse...

Cao William,
parabéns por mais um maravilhoso post alusivo à quadra em que estamos, o Natal.

Beijinhos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais populares no Criança Genial

1 livro por dia - Grátis

Mudar Fonte e Tamanho da Leitura

Arquivo do blog