Translate

2

Criança Birrenta




Criança Birrenta



Nossas crianças são indivíduos com vontades próprias e isso precisa, dentro do razoável, ser respeitado. Por isso, precisamos estar preparados para as muitas facetas de seus comportamentos.

A teimosia infantil, que deixa qualquer mãe de cabelos em pé, começa a incendiar a rotina familiar quando a criança se aproxima dos dois anos. Mas é um estágio que passa quando as ferinhas completam quatro ou cinco anos de idade.

A explicação é simples. Se nos primeiros dois anos a mãe aprende bastante sobre como se adaptar à convivência com um bebê, a partir do segundo ano de vida ela precisa se acostumar com a idéia que seu filho tem vontade própria: aquele anjinho mimoso e adorável, que até a pouco era extremamente dependente de seus braços, já tem idéias muito bem formadas a respeito do que quer ou não fazer.

Se os pais observarem melhor, entenderão que os sinais de desafios e recusa da criança mostram que ela está crescendo e começando a entender que é uma pessoa distinta, com sua própria individualidade.
“A birra é uma fase necessária e importante, porque a criança precisa desenvolver sua autonomia, testar seus limites”.
“A birra é, no futuro, uma prova que as crianças submetem aos adultos para testar os limites dos comportamentos permitidos e também a autoridade dos pais”.

Para enfrentar esse período de tensão doméstica a melhor saída é refletir sobre cada decisão tomada. A partir daí os pais obtém uma solução conciliatória. A final, do mesmo modo que nem todas as vontades de uma criança devem ser atendidas, nem todas devem ser negadas. Ignorar a birra também não é solução.A verdade é que se os pais evitando o choque frontal oferecem a seus filhos alternativas aceitáveis ou conseguirem convencê-los amigável- mente de que estão errados, conseguirão vencer essa fase de pânico e duvidas.

“COMO LIDAR COM OS LIMITES DAS CRIANÇAS”

DAR LIMITES É …

Só dizer “não'' aos filhos quando houver uma razão concreta;
-Dizer “sim” sempre que possível e “não” sempre que necessário;
-Ensinar que os direitos são iguais para todos;
-Fazer a criança compreender que seus direitos acabam onde começam os direitos dos outros;
-Ensinar que existem OUTRAS pessoas no mundo;
-Mostrar que muitas coisas podem ser feitas e outras não podem ser feitas;
-Ensinar a tolerar pequenas frustrações no presente para que, no futuro, os problemas da vida possam ser superados com equilíbrio e maturidade (a criança que hoje aprendeu a esperar sua vez de ser servida à mesa amanhã não considerará um insulto pessoal esperar a vez na fila do cinema ou aguardar três ou quatro dias até que um chefe dê um parecer sobre sua promoção);
-Fazer a criança ver o mundo com uma conotação social (con-viver) e não apenas psicológica (o meu desejo e o meu prazer são as únicas coisas que contam);
-Saber discernir entre o que é uma necessidade dos filhos e o que é apenas desejo;

DAR LIMITES É …

Fazer só o que vocês, pai e/ou mãe, querem ou estão com vontade de fazer;
-Gritar com as crianças para serem atendido;
-Invadir a privacidade a que todo ser humano tem direito;
-Deixar de explicar os “porquês” das coisas, apenas impondo a “lei do mais forte” ;
-Deixar de atender as necessidades reais (fome, sede, segurança, afeto,interesse) dos filhos, porque você hoje esta cansado;
-Bater nos filhos para que eles se comportem (quando se fala em limites, muitas pessoas pensam que significa aprovação para dar palmadinhas, bater ou até espancar);
-Ser autoritário (dar ordem sem explicar o porquê, agir de acordo apenas com seu próprio interesse, da forma que lhe aprouver, mesmo que a cada dia sua vontade seja inteiramente oposta à do outro dia, por exemplo);
-Provocar traumas emocionais (toda criança tem capacidade de compreender um “não” sem ficar com problemas, desde que, evidentemente, este “não” tenha razão de ser e não seja acompanhado de agressões físicas ou morais). O que provoca traumas e pro- blemas emocionais é, em primeiro lugar, a falta de amor e carinho, seguida de injustiça, violência física (bater nos filhos é uma forma comum de violência física que, em geral, começa com a palmadinha leve no bumbum), humilhações e desrespeito à criança.

Texto :Carla C. Denari Consul (Psicóloga especializada em crianças da Pró-Infância).
Fonte: pro infancia



Outros estão lendo agora:

Meu filho é birrento e também Criança Mimada - Adulto triste

2 comentários :

Milah Comilona disse...

Amei o blog parabéns, vou divulgar suas informações que achei muito interessante, beijoss Milah C.Amaral

Milah Comilona disse...

Muito bom adorei!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais populares no Criança Genial

1 livro por dia - Grátis

Mudar Fonte e Tamanho da Leitura

Arquivo do blog